terça-feira, fevereiro 7, 2023
spot_img
InícioEscândaloSob alegação de contrato ilegal de R$ 20 milhões, Sindicato denuncia presidente...

Sob alegação de contrato ilegal de R$ 20 milhões, Sindicato denuncia presidente do Igeprev, Giussep Mendes

O portal Diógenes Brandão traz neste domingo (5) a denúncia do Sindicato dos Servidores Públicos Estaduais no Município de Belém (Sispemb) contra o atual presidente do Instituto de Gestão Previdenciária do Estado do Pará (Igeprev), Giussep Mendes, alvo de outras denúncias de alguns blogs paraenses.

Em um documento de quatro páginas, assinado pelo presidente Leandro Ferreira Borges, a entidade intitula a nota “O escandaloso caso da perícia contábil que custou vinte milhões (R$ 20 milhões) aos cofres do Igeprev”, em que detalha as supostas irregularidades na contratação ilegal do escritório Barcelos, Esteves & Jeronimo Advogados Associados, sediado em Cuiabá, no Estado do Mato Grosso.

Borges diz que “é importante observar que até então os blogs estavam denunciando o superfaturamento do contrato de 20 milhões, que o Giussep fez com a empresa de Mato Grosso. Ocorre que a situação é muito mais grave, pois, em que pese o sobrepreço ser um fato gravíssimo, a contratação de uma empresa, por dispensa de licitação, para realizar um trabalho que por determinação legal é impedida de fazer”. Para Leandro Borges, o que era um “absurdo” se tornou em algo “inimaginável”.

DESMORALIZAÇÃO

Ele frisa que o principal ponto é “a completa desmoralização do corpo técnico do Igeprev”, já que o servidor que emitiu o parecer orientando a inexibilidade, referenciada como “fajuta” pelo presidente do Sispemb. Ele diz que se quer verificou-se o ramo de atividade da empresa que seria contratada, se era compatível com o objeto de contratação.

“Isso é incompetência, má-fé ou absoluta certeza da impunidade, que as vezes ‘cega’ o infrator ganancioso e o faz deixar de observar os requisitos legais mais óbvios”, diz Borges. “É como se o Estado contrasse um profissional para atuar como médico, sem que atenda os requisitos exigidos e nem esteja devidamente de inscrito no CRM (Conselho Regional de Medicina)”, acrescentou o presidente do Sispemb.

CONFIRA A NOTA DO SISPEMB

Leia também

Após decisão do STF, professores entram na Justiça para receber a diferença do Piso Salarial

RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais visualizados