sexta-feira, junho 9, 2023
spot_img
InícioUfopaProjeto apresenta resultados de pesquisas sobre ecossistemas de água doce do rio...

Projeto apresenta resultados de pesquisas sobre ecossistemas de água doce do rio Tapajós

Pesquisadores da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) apresentam na quinta-feira, 9 de junho de 2022, o I Seminário Científico do Projeto de Conservação de Base Comunitária dos Ecossistemas de Água Doce no Rio Tapajós. Abertas ao público e à comunidade acadêmica, as atividades ocorrerão em Santarém (PA), das 8h às 12h e das 14h às 17h, no auditório da Unidade Rondon da Ufopa.

O projeto, intitulado “Conservação de Base Comunitária em Ecossistemas de Água Doce: Rio Tapajós”, tem por objetivo contribuir para o desenvolvimento local, aumentando o conhecimento sobre o uso sustentável dos recursos aquáticos e a conservação da biodiversidade de água doce na região do médio e baixo Tapajós, apoiando as comunidades ribeirinhas em sua organização, governança e gestão comunitária, melhorando seu desempenho com outros atores da região e no planejamento do território.

Durante os dois anos de execução do projeto foram desenvolvidas pesquisas na região do médio e baixo Tapajós, envolvendo dez comunidades ribeirinhas localizadas às margens direita e esquerda do rio Tapajós, nos municípios paraenses de Trairão, Itaituba, Rurópolis, Aveiro, Belterra e Santarém.

Leia também

Ufopa recebe mais de R$ 3 milhões do MEC para construção do Campus de Monte Alegre

Serão apresentados os resultados das sete linhas de pesquisa desenvolvidas pelos pesquisadores da Ufopa que tiveram financiamento da TNC/Brasil por meio do Projeto “Águas do Tapajós”, cujo objetivo geral é a conservação das águas dos rios da região do Tapajós. A seguir as linhas das pesquisas relacionadas ao projeto:

1. Avaliar os níveis de mercúrio (Hg) no cabelo de indivíduos residentes em comunidades do baixo e médio Tapajós; avaliar os níveis de Hg no tecido de peixes coletados em comunidades do baixo e médio Tapajós; realizar atividades de educação em saúde voltadas para a prevenção e promoção da saúde no contexto da exposição mercurial voltadas às comunidades estudadas e a profissionais de saúde da atenção primária no que se refere ao reconhecimento de sintomas da exposição mercurial.

2. Realizar um levantamento da ocorrência e situação das populações de quelônios no rio Tapajós, incluindo novos registros de distribuição, seu uso e importância para as populações ribeirinhas, a contaminação por mercúrio e organoclorados, a identificação dos locais de agregação, desova e as rotas de migração, e o efeito da recente oferta de grãos (soja e milho) no porto de carregamento de Miritituba para atração e dieta das espécies.

3. Caracterizar a atividade da pesca e implementar o monitoramento participativo e voluntário dos pescadores e pescadoras ribeirinhos; identificar variações sazonais na disponibilidade dos recursos pesqueiros e mudanças de comportamento extrativista em função desta disponibilidade; caracterizar os sistemas de produção dos pequenos produtores ribeirinhos, determinando padrões, formas de uso e de interação entre as comunidades e o ambiente pesqueiro; identificar taxonomicamente os peixes conhecidos pelas comunidades e os sistemas de classificação tradicionalmente empregados; descrever o calendário etnoecológico da pesca nas comunidades ribeirinhas nos trechos do baixo e médio Tapajós.

4. Caracterizar a assembleia de peixes do médio e baixo rio Tapajós quanto à composição, riqueza, diversidade e abundância; analisar a influência de fatores ambientais sobre a estrutura das assembleias de peixes no baixo e médio Tapajós; relacionar as espécies de peixes com maior interesse econômico, endêmicas, ameaçadas de extinção, indicadoras de qualidade ambiental, bem como aquelas cientificamente desconhecidas.

5. Determinar a composição e abundância de larvas de peixes de interesse econômico no Tapajós; comparar os índices de abundância, riqueza e diversidade dos táxons coletados; analisar os padrões de variação na distribuição temporal (diurna e noturna) e sazonal (enchente, cheia, vazante e seca) do ictioplâncton; verificar o período e a utilização da região como área de desova e criadouro natural de várias espécies de peixes; avaliar a influência das variáveis ambientais sobre a ocorrência de ovos e larvas de peixes nos diferentes pontos e períodos de amostragem; descrever alternativas de uso sustentável da área, visando à conservação e ações de manejo sustentável dos recursos.

6. Descrever e acompanhar as florações de cianobactérias na bacia do rio Tapajós durante um ciclo hidrológico, bem como analisar a influência destas florações no uso de recursos aquáticos pelas populações locais.

7. Fazer o inventário das unidades de produção vinculadas aos pescadores, considerando as culturas (ciclo curto e perenes) utilizadas e frequência de plantios nas comunidades; inventariar os tipos de manejo utilizados nas unidades de produção nas comunidades; construir um mapa das unidades de produção em cada comunidade; inventariar e mapear a participação das mulheres nas unidades produtivas e analisar o quanto e como as mulheres contribuem para a renda da família.

A continuação das pesquisas está garantida, pois o projeto “Águas do Tapajós” foi renovado para os próximos dois anos.

Comunicação/Ufopa

06/06/2022

Evento: SEMINÁRIO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO “ÁGUAS DO TAPAJÓS”

  • Local: Auditório da Ufopa (Campus Santarém/Unidade Rondon, Av. Marechal Rondon – Bairro Caranazal)
  • Data: 9 de junho de 2022 (quinta-feira)
  • Horário: das 8h às 12 horas e das 14h às 17 horas

Sugestão de entrevistas:

  • Profa. Iracenir Andrade dos Santos, coordenadora geral do projeto “Águas do Tapajós” na Ufopa;
  • Juliana Simões, representante da TNC;
  • José Edinaldo, representante do Movimento dos Pescadores e Pescadoras Artesanais do Oeste do Pará (Mopebam).

RELACIONADOS

Mais visualizados