terça-feira, fevereiro 7, 2023
spot_img
InícioDestaqueJudas e o Messias Negro leva 2 estatuetas do Oscar 2021. Assista!

Judas e o Messias Negro leva 2 estatuetas do Oscar 2021. Assista!


Por Diógenes Brandão

Com 06 (seis)  indicações ao Oscar 2021, “Judas e o Messias Negro” deu ao ator Daniel Kaluuya (32 anos) o Oscar de melhor ator coadjuvante, sua primeira estatueta. 

Kaluuya superou Sacha Baron Cohen (“Os 7 de Chicago”), Leslie Odom Jr. (“Uma Noite em Miami”), Paul Raci (“O Som do Silêncio”), LaKeith Stanfield, que concorria com o mesmo filme. 

No longa, Daniel Kaluuya interpreta Fred Hampton, o líder dos Pantera Negras, morto em 1969. O ator, concorreu ao Oscar 2018 com o filme “Corra”, mas só agora foi aclamado pelos membros da A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood. 

Além do Oscar de Melhor Ator Coadjuvante, o filme “Judas e o Messias Negro” ganhou mais uma estatueta na madrugada desta segunda-feira (26), com a canção Fight for You, de H.E.R.

“Quase um ano depois das manifestações do Black Lives Matter nos Estados Unidos, “Judas e o Messias Negro” fortalece os ideais da luta contra o racismo e mantém o destaque para as pautas raciais nas grandes premiações do cinema. Desta vez, o retrato é de uma história real que aconteceu no auge do movimento revolucionário pelos direitos da população negra, nos anos 1960. 

A trama acompanha Bill O’Neil (Lakeith Stanfield), um ladrão comum que, depois de ser preso, acaba coagido pelo FBI a trabalhar como agente infiltrado no movimento dos Panteras Negras, em Chicago. O objetivo era antecipar as ações do jovem líder em ascensão na cidade, Fred Hampton (Daniel Kaluuya), opinou o crítico de cinema Filipe Rodrigues, no blog Tenho mais discos que amigos.



“Judas e o Messias Negro” é um filme envolvente e histórico, já que retrata uma parte da luta pela igualdade racial nos EUA, com o uso de uma organização mais radical, o partido “Panteras Negras”, que defendia o uso de armas contra o fascismo e a opressão dos brancos e capitalistas.

Inspirados pelo filme “Judas e o Messias Negro”, um grupo de democratas da Câmara está fazendo esforço para tirar o nome de J. Edgar Hoover da sede do FBI.  O longa destaca um dos piores abusos do bureau sob sua liderança: um programa secreto conhecido como COINTELPRO, que tinha como objetivo desacreditar os ativistas dos direitos civis e que acabou levando à morte, em 1969, do líder dos Panteras Negras de Chicago, Fred Hampton, em 1969.

“Se você fizer uma pesquisa, aposto que 90 por cento da sociedade não tem ideia do que era COINTELPRO”, apontou o deputado democrata Steve Cohen, do Tennessee.  “Esta é uma parte feia de nosso passado que não é bem conhecida”, concluiu.

Impacto emocional nos atores 

Segundo matéria da Revista Rolling Stones, não foi fácil para o elenco fazer a filmagem final de Judas e o Messias Negro. A cena chocante mostra a invasão brutal do FBI no apartamento em que Fred Hampton e outros integrantes do Pantera Negra estavam. Em evento na Cinemateca Americana, Dominique Fishback, atriz de Deborah Johnson, falou sobre as filmagens: “Quando cheguei à réplica do apartamento, a energia era muito pesada.”

Aniversário de 50 anos 

O dia das filmagens da invasão do FBI no apartamento também teve outro motivo para ser especial. Naquela data, o assassinato de Fred Hampton completava exatos 50 anos – e certamente isso contribuiu para a atmosfera emocional.

O filme ainda não foi lançado em muitos cinemas do Brasil, mas pode ser assistido aqui, de preferência em uma Smart TV, após clicar em uma propaganda do site que indica o link para o streaming.

RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais visualizados