sexta-feira, junho 2, 2023
spot_img
InícioPolíticaComo os paraenses avaliam os governos diante do Coronavírus?

Como os paraenses avaliam os governos diante do Coronavírus?

Foram realizadas recentemente duas pesquisas de opinião pública no estado do Pará, para saber o que é que as pessoas estão pensando a respeito de vários aspectos da crise do coronavírus e sobre a atuação ou omissão do governo do estado e do presidente da república diante da pandemia.

O portal Amazon Live traz em primeira mão o resultado delas.

Importante salientar, antes de avançar na divulgação dos dados, é que quando se fala em pesquisa de opinião pública, é preciso entender que se trata de um recorte temporal, ou seja fatores que aconteceram antes e durante a realização da pesquisa, influenciam o seu resultado. Qualquer fato que tenha acontecido um dia sequer depois da pesquisa, por mais grave e relevante que ele seja, não é levado em consideração. Por isso, se uma pesquisa com o mesmo questionário for feito duas semanas depois dessas que foram realizadas, os resultados podem ser completamente diferentes.

Outro fator a ser levado em consideração é que a opinião das pessoas é formada pela percepção que elas têm dos fatos, não necessariamente da realidade em si. Um exemplo: é possível que haja 10 vezes mais pessoas contaminadas no Pará, do que as que se tinha conhecimento no período de realização dessas pesquisas. Isto, certamente, causaria impacto muito maior na percepção das pessoas.

Feitas essas ressalvas, vamos aos números.

Avaliaremos inicialmente os resultados da pesquisa elaborada pela empresa Positiva Marketing. Ela foi realizada no período de três dias, entre 30 de março e 1 de abril de 2020. 2.646 pessoas foram procuradas pelo telefone. Somente 603 deram respostas completas. É sobre este universo que se montou o resultado.

5,3% das respostas são de pessoas de 16 a 24 anos; 40,3%, pessoas de 25 a 44 anos: 36,5% pessoas de 45 a 59 anos e, finalmente, 17,9% pessoas maiores de 59 anos.

66,3% das respostas válidas são de pessoas do sexo feminino e 33,7% do sexo masculino. Quanto à renda mensal, 21,9% declararam receber até um salário mínimo; 14,9% até dois salários mínimos; 11,6% até três salários mínimos; 32,2% acima de três salários mínimos e 19,4% se declararam desempregados.

A grande maioria das respostas à primeira pergunta mostra que as pessoas estão preocupadas no atual momento: 78,7%.

14,1% se declararam tranquilas. As demais se declararam alegres, tristes, felizes e 1,3% chegou a dizer que estava infeliz.

Numa quinta pergunta, o entrevistador perguntou o seguinte: “neste primeiro ano de governo, você acredita que o Pará”…

45,8% responderam que acreditam que o estado passou a se desenvolver; 28,7% acham que não mudou nada e 12,3% acham que andou para trás. 13,3% dos que responderam a pesquisa não souberam avaliar.

Em seguida, o entrevistador perguntou: “você aprova as ações do governo do estado do Pará no combate ao coronavírus?” 65,1% das pessoas que responderam à pesquisa aprovam; 28,4% desaprovam e 6,5% não souberam avaliar.

As redes sociais estão repletas de discussões sobre as iniciativas ou falta delas, do governador Helder Barbalho, no enfrentamento à Pandemia. A pesquisa resolveu fazer a seguinte pergunta: “nesta Pandemia, você acredita que o governador Helder está…?”

Para 68% das pessoas, Helder está ajudando; 24,4% responderam que ele está atrapalhando e 2,7% acham que ele está parado. 5% não souberam responder.

Numa pergunta de grau relativo, o entrevistador perguntou: “quantas estrelas você daria para o trabalho do governo no combate ao coronavírus?”

Mesmo deixando margem para dúvidas sobre qual governo está sendo avaliado, é natural que as pessoas respondam mais sobre o governo do estado. Assim, 43,8% deram 5 estrelas; 17,1% deram 4 estrelas; 10,1% deram 3 estrelas; 10,4% deram 2 estrelas e 18,3% deram 1 estrela. Assim é possível se deduzir que a maioria das pessoas está gostando do trabalho que vem sendo desenvolvido pelo “governo”, não necessariamente do governador ou do presidente.

Numa pergunta que explorou uma das maiores polêmicas dos últimos dias, os entrevistados tiveram que responder: “Quanto à ideia do presidente Jair Bolsonaro de abandonar a quarentena e fazer a população voltar às suas atividades normais, qual a sua opinião?”

58,7% responderam que não apoiam e 32,8% disseram que apoiam. 8,5% não souberam avaliar.

A 10ª pergunta buscou avaliar a credibilidade de todos os meios de comunicação, tradicionais e digitais: “Onde você busca informações que você considera seguras?”

54,4 % acreditam mais no que é veiculado pelas emissoras de televisão; 17,9% no Facebook; 9,8% nos Blogs; 6% em jornais impressos; 4,8% preferem informações que recebem pelo WhatsApp; 4,1% se informam no Instagram e 3% se informam pelos noticiários das emissoras de rádio.

Para avaliar a gestão do governo do Pará neste recorte temporal, altamente influenciado pelo noticiário sobre a pandemia do novo coronavírus, 56,1% das pessoas se declararam satisfeitas; 31,2% estão insatisfeitas e 12,8% não souberam avaliar.

Sem perder a oportunidade de avaliar uma outra doença, só que na política, o entrevistador perguntou: “você acredita que na gestão do governador Helder Barbalho, existe corrupção?”

Não é surpresa que a maioria disse sim. 42% acreditam que exista, 37,8% não souberam avaliar e apenas 20,2% dos entrevistados não acreditam que haja corrupção no atual governo do estado.

Na questão seguinte, o entrevistador mostra uma foto do governador Helder Barbalho para o entrevistado e pergunta: “ quando você olha a imagem desta pessoa, ou escuta falarem dele, o que você sente? “

28,7% das pessoas disseram sentir esperança; 22,6% sentem desconfiança; 17,7% declararam sentir confiança; 11,3% acham que ele tem coragem; 7,6% sentem decepção; 6,8% não souberam avaliar; 3,6% disseram sequer conhecê-lo e 1,7% afirmaram sentir ódio do atual governador.

55,7% apontam como positiva a imagem do governador Helder Barbalho neste momento, porém, 22,6% das pessoas pesquisadas disseram que desconfiam dele.

Em seguida, o entrevistador mostra uma foto do presidente Bolsonaro e pergunta: “quando você olha a imagem desta pessoa, ou escuta falarem dele, o que você sente?”

29% sentem-se decepcionadas; 20,7% ainda sentem confiança no presidente; 16,7% tem esperança e 11,8% afirmaram ter ódio de Bolsonaro. Outras 10,6% das pessoas sentem desconfiança; 6,3% sentem nele coragem; 4% não souberam avaliar e 0,8% disseram que nem o conhecem.-

51,4% é a imagem negativa do presidente Bolsonaro perante a população paraense, sendo que “decepção” é a emoção mais sentida neste momento, com 29%. Mesmo com a imagem negativa alta, 20,7% da população ainda confia no presidente.

Os ex-governador não poderia ficar de fora desta última sequência de perguntas. O entrevistador, então, mostra uma foto de Simão Jatene e encerra a entrevista com a pergunta: “quando você olha a imagem desta pessoa, ou escuta falarem dele, o que você sente?”

33,2% se sentem decepcionadas, mostrando que ainda é grande o desapontamento do eleitorado com o último governador. 20,1% se mostram desconfiadas; 16,1% ainda tem confiança do Simão Jatene e 15,3% não souberam avaliar. 4,8% das pessoas disseram ter esperança e outros 4,8% afirmaram ter ódio do ex-governador. 3,6% das pessoas disseram não conhecer quem é e 2,2% sentem coragem nele.

58,1% negativa é a imagem do ex-governador, na percepção emocional atual da população, sendo que o sentimento de decepção é a emoção mais sentida neste momento, com 33,2%.

RELACIONADOS

Mais visualizados