sábado, janeiro 28, 2023
spot_img
InícioMedicinaComo investir em Cannabis no Brasil?

Como investir em Cannabis no Brasil?

Falar de cannabis exige cuidado. O tema desperta opiniões “calorosas”, quase sempre oriundas do uso recreativo. A polarização é tão grande que o estigma atinge até outros usos possíveis da planta, como o farmacêutico, o cosmético e o têxtil.

Há países em que a carga moral sobre o assunto existe, mas não paralisa o setor. Dessa forma, o Estado regula e recolhe impostos, dando estímulos e segurança para o desenvolvimento de um mercado bilionário cuja expansão anima também investidores, seja em fundos ou empresas com capital aberto na bolsa de valores.

Mas e no Brasil, qual é a situação atual? É possível investir em Cannabis? Faz sentido optar por esse setor em um país marcado pela lentidão de pautas mais conservadoras?

CONHEÇA O MERCADO DA CANNABIS

A cannabis está entre os pontos mais controversos do debate social: o peso que se dá à palavra “maconha” é suficiente para apresentar o lugar que ela ocupa no imaginário da população. Mas por que isso ocorre, já que existem bons motivos para levar a planta a sério, a exemplo das propriedades medicinais que oferece?

Para se ter ideia do tamanho desse mercado, a estruturação dele representaria cerca de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro, que vem trabalhando na casa do trilhão desde o início da década. O País, porém, avança a passos lentos, perdendo mercado e desidratando uma cadeia de investimentos.

Hoje, farmácias já são autorizadas a vender remédios à base de cannabis. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberou, em 2019 e por tempo determinado, que empresas certificadas em Boas Práticas de Fabricação pudessem fazer a produção e vendê-la no varejo.

Leia também

Sob risco de perder fala, general Villas-Bôas defende maconha medicinal

Um túnel, chips de celular e maconha são encontrados em presídio de Marituba

Ermano acrescenta que, até o terceiro semestre deste ano, outros itens podem ter fabricação e venda liberadas pela Anvisa e pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Ainda que se trate de uma tendência definitiva, a incerteza em relação à governança no setor e a falta de investimentos público em pesquisa atrasam o País. 

A título de comparação, os 37 governadores dos Estados Unidos que permitiram o uso de cannabis para fim medicinal poderão movimentar cerca de US$ 33 bilhões, de acordo com o diretor da VerdeMed, Fabio Lampugnani. Até o fim do ano, o setor deve contar com mais de 400 mil vagas de trabalho apenas no país norte-americano.

Rodrigo Knudsen, gestor de fundos da Vitreo, acredita que há um custo na lentidão, mas a sociedade brasileira levará algum tempo até se ambientar com esse novo fenômeno. “A resistência ocorre porque a planta ainda é vista como uma droga psicotrópica e recreativa, mesmo que o canabidiol, que integra a cannabis, não tenha essa propriedade. Mas as novas gerações chegam com mais informação, então a longo prazo há boas perspectivas”, diz.

Quem quer investir em cannabis no Brasil deve recorrer aos fundos de investimento. Knudsen explica que a Vitreo tem dois tipos de serviço: o Vitreo Canabidiol, apenas para investidores qualificados, e o Vitreo Cannabis Ativo, aberto para investidores mais leigos. Cerca de 40% do portfólio dos fundos estão nas maiores empresas estadunidenses do setor canábico.

Cannabis: comissão estuda plantio da maconha para fins medicinais

A XP também oferece um fundo do gênero. Segundo a corretora, o Trend Cannabis investe em um fundo estadunidense chamado ETFMG Alternative Harvest, o maior e mais líquido entre os negociados na bolsa do País. O ativo financia processos de cultivo legal, produção, marketing ou distribuição de produtos de Cannabis, tanto para fins medicinais quanto não medicinais.

O cenário é bastante diferente de mercados mais maduros. Na “terra do Tio Sam” é possível investir diretamente em empresas consolidadas no setor, como Curaleaf e Trulieve. Além disso, há fundos sólidos, como o AdvisorShares Pure US Cannabis ETF e o AdvisorShares Pure Cannabis ETF.

Enzo Pacheco, analista de investimentos da Empiricus, avalia que investir em cannabis em um ambiente dinâmico como ocorre nos Estados Unidos é algo que “salta aos olhos” dos brasileiros: algumas empresas somam crescimento de 100% em dois anos. Para participar da tendência, o investidor daqui precisa ter uma conta em uma corretora no exterior que tenha acesso ao mercado de balcão estadunidense.

Ainda assim, Knudsen avalia que os brasileiros devem ter paciência: “Não sabemos quando as coisas serão liberadas. O grande gatilho deve ser a liberação federal nos Estados Unidos. Imaginávamos que isso estava mais próximo, então é preciso avaliar com cautela, pois pode demorar um pouco.”

Por conta disso, Pacheco acredita que mesmo um investidor arrojado não pode ter mais de 10% da carteira no setor de cannabis. “Uma posição entre 3% e 5% é um bom percentual para grande parte dos investidores, já que se trata de ativos de alto risco. Se uma ação de um setor comum leva de um ano a três anos para maturar, esse intervalo no setor de cannabis passa de três anos a cinco anos“, afirma. Com informações do Estadão.

RELACIONADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais visualizados