sexta-feira, junho 2, 2023
spot_img
InícioDestaqueAdvogado do DJ preso: 'hacker' queria vender mensagens de Moro para o...

Advogado do DJ preso: ‘hacker’ queria vender mensagens de Moro para o PT

O advogado de Gustavo Elias Santos, 28, o DJ de Araraquara, afirmou nesta noite que seu cliente ouviu de outro dos quatro presos pela Polícia Federal (PF) ontem, Walter Delgatti Neto, 30, que a intenção era vender ao PT (Partido dos Trabalhadores) as mensagens “hackeadas” do celular do ministro da Justiça, Sergio Moro.

O advogado Ariovaldo Moreira também disse que Gustavo não sabe se o material foi negociado e afirmou que o cliente não teve envolvimento com a suposta invasão.

A versão apresentada é a de que Walter, amigo de longa data do DJ Gustavo, teria obtido as mensagens e mostrado o feito ao amigo.

“Cuidado que você pode ter problema com isso”, teria dito Gustavo ao ver o material.

Luiz Delgado, advogado de Walter Delgati Neto, disse que não teve acesso ao inquérito e, portanto, não poderia comentar. Ele afirmou que o cliente tem problemas psiquiátricos e “está atordoado”.

Walter teria confessado invasão Pessoas que tiveram acesso ao depoimento de Walter Neto à PF afirmaram ao UOL que ele assumiu a autoria da invasão eletrônica ao celular de Moro e ao de Deltan Dallagnol, chefe da Lava Jato em Curitiba.

Conhecido como “Vermelho”, Walter esteve oito anos longe do Twitter e voltou à rede em maio deste ano. Entre as postagens, ele comemorou a divulgação das mensagens na mídia.

Também foram presos a mulher de Gustavo, Suelen Oliveira, e Danilo Marques. Todos foram transferidos de São Paulo para Brasília e ouvidos pela PF. Eles tiveram prisão temporária decretada por cinco dias – período que pode ser prorrogado.

Incredulidade

Segundo o advogado, em um primeiro momento o DJ não teria acreditado na veracidade das mensagens. Essa conversa entre os dois, segundo o advogado, teria ocorrido há cerca de três meses – portanto, em abril.

“Ele [Santos] disse que a intenção dele [Delgatti] era vender essas informações para o PT. Ele [Santos] confirma que o Walter mandou mensagens pra ele, mandou inclusive parte da interceptação telefônica do juiz Sergio Moro e a intenção, segundo ele, meu cliente, ele dá conta de que o Walter disse a ele que a intenção era vender essas informações para o Partido dos Trabalhadores”, disse.

“Intenção do Walter, meu cliente não está envolvido nessa empreitada criminosa”, disse Moreira.

A assessoria do PT se manifestou sobre o caso por meio de nota, afirmando que Moro, “responsável pela farsa judicial contra o ex-presidente Lula, comanda agora um inquérito da Polícia Federal com o claro objetivo de produzir mais uma armação contra o PT”. Além disso, o partido diz que “as investigações da PF sobre as pessoas presas em São Paulo confirmam a autenticidade das conversas ilegais e escandalosas que Moro tentou desqualificar nas últimas semanas”.

“Acuado, o ex-juiz repete seus conhecidos métodos: prisões espetaculares e vazamentos direcionados contra seus adversários. É criminosa a tentativa de envolver o PT num caso em que é Moro que tem de explicar e em que o maior implicado é filiado ao DEM”, diz a nota.

Pontos a esclarecer

Deflagrada no interior e na capital de São Paulo ontem, a Operação Spoofing – termo que se refere a um golpe eletrônico – prendeu quatro suspeitos:

  • Walter Delgatti, suposto ‘hacker’, e Gustavo Santos – o DJ de Araraquara
  • Suelen Priscila de Oliveira, mulher de Gustavo; e Danilo Marques – não se sabe ainda quais as suspeitas recaem sobre eles.

Na tarde de hoje, a PF convocou jornalistas para fazer uma apresentação sobre as investigações, que estão sob sigilo, e não autorizou perguntas.

Afirmou que estimam que houve mais de mil celulares invadidos, mas ainda deixou abertas pontos como estes:

  • Houve tentativa ou houve de fato invasão aos celulares das autoridades?
  • Essas mensagens foram repassadas ao site The Intercept Brasil, que desde 9 de junho divulga conversas atribuídas a Moro e procuradores da Lava Jato, em parceria com Folha de S.Paulo, o blogueiro Reinaldo Azevedo do UOL, e revista Veja?
  • O grupo agiu sozinho ou houve financiamento?
  • Será possível comprovar se as mensagens foram adulteradas?
  • Moro afirmou que apagou o Telegram em 2017 – mas o aplicativo, segundo a PF, foi a porta de entrada para a invasão que teria ocorrido entre maio e junho deste ano.

Outras autoridades O advogado também afirma que seu cliente não identificou nem tinha conhecimento de mensagens que envolveriam outra autoridade pública.

A Polícia Federal também investiga, num inquérito em Curitiba, uma suposta invasão hacker ao celular do procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da Operação Lava Jato no Paraná, e afirmou que investigará ataques aos aparelhos da deputada Joice Hasselman (PSL) e do ministro da economia, Paulo Guedes.

Moro foi o juiz responsável pela condenação em primeira instância do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Posteriormente, o juiz deixou o cargo para assumir o Ministério da Justiça no governo do presidente Jair Bolsonaro

Por Felipe Amorim e Eduardo Militão, no UOL.

RELACIONADOS

Mais visualizados